terça-feira, outubro 13, 2009

Deixa ela entrar



Deixa Ela Entrar
Låt den Rätte Komma In
Suécia, 2007 - 110 min
Direção: Tomas Alfredson
Roteiro: John Ajvide Lindqvist
Elenco: Kåre Hedebrant, Lina Leandersson, Per Ragnar, Henrik Dahl, Karin Bergquist, Peter Carlberg


Tô meio atrasada pra contar, afinal, assisti "Deixa ela Entrar" na quinta-feira passada, mas não posso deixar de registrar como um dos melhores filmes de vampiro que já vi e com certeza a melhor vampira que já vi no cinema. É uma afirmação forte, eu sei, mas é que finalmente um filme me mostra uma vampira como EU sempre considerei, como EU sempre enxerguei.


Não é uma super heroína indestrutível como a Selene (Underworld), não é má e cruel como a também garotinha Claudia (Entrevista com o Vampiro), não é sádica como Elisabeth Battory ou Akasha (Rainha dos Condenados), não é um monstro que só pensa em sangue e vingança como as esposas de Drácula, ou Victoria (Crepúsculo) não é perfeita e com pose de superior como as vampiras Alice, Esme e Rosalie da família Cullen, não é completamente idiota como as vampiras lésbicas, não abusa de efeitos especiais e lutas intermináveis e chatas como na insuportável série Blade, nem é sexy, fatal e clichê como a filha do Drácula, nem é a mocinha conquistada pelo irresistível vampiro como Bella Swan (mais uma vez, da série Crepúsculo), Mirna/Elisabetta (Drácula), Jesse (Rainha dos Condenados) e Pandora (essa dos livros da Anne Rice).*

Eli é quase uma menina comum e real. Podia ser a minha vizinha, por exemplo. Essa é a parte que mais me motiva ao construir e criar personagens vampiras. Eu reamente desejo que elas convençam, quero que elas sejam quase tão "humanas" quanto eu.


****COM SPOILERS A PARTIR DAQUI****



Pela primeira vez encontro uma vampira que demonstra claramente os contrastes entre a força e fragilidade da maldição de uma forma real. Claro que muitos filmes abordam o lado ruim e trágico de ser um vampiro, mas acho que acompanhar o dia-a-dia de Eli e seus problemas mais cotidianos, dificuldades menos existenciais e mais práticas dão um charme todo especial à vampirinha. Como lidar com os erros do seu ghoul que está ficando velho e meio "sem prática"? Será hora de conseguir um mais "espertinho", afinal?

As cenas mais sangrentas como os assassinatos praticados pelo ghoul ou o ataque da menina aos vizinhos incautos foram extremamente reais, as cenas de suspense como o afogamento de Oskar na piscina foram quase desesperadoras, as cenas doces como o pedido de namoro e a construção da amizade dos dois protagonistas foram emocionantes, as cenas trágicas como a combustão da vampira transformada e a desfiguração e morte do carniçal foram chocantes, as cenas mais irônicas como as burrices do carniçal e as bizarrices do homem dos gatos foram engraçadas, enfim... Adorei tudo, tudo, tudo!

Fiquei querendo mais. Quero livro, quero DVD, quero bonequinhos (aaaahhh, são lindos! :o), quero resolver minhas dúvidas (o que era aquela cicatriz na cena em que Eli aparece nua? O Ghoul era mesmo o "pai" dela ou era somente um carniçal fiel - talvez o mesmo que Oskar passará a ser? Ela realmente gostava de Oskar ou se aproveitou da situação para criar um vínculo indestrutível com ele e resolver seus próprios problemas? De onde Eli vem? Existem outros vampiros? De onde vem a "fortuna" dela? O pai de Oskar é gay? A mãe dele procurou pro ele depois que ele fugiu com Eli? Que aconteceu com o homem dos gatos e as outras pessoas que presenciaram a vampirinha em ação? Repercussão para a auto-combustão na mulher no hospital? Mil perguntas, mil perguntas - e delicioso o pensamento de que elas podem nunca ser respondidas, e tudo bem quanto a isso! :o))

****FIM DOS SPOILERS****

Preciso dizer mais? Vão assistir! :o)

*Lembrando que gosto bastante de várias das vampiras citadas, principalmente Alice, Selene, Claudia, Akasha e Pandora, mas que Eli chegou para ocupar de vez um cantinho no meu coração :)

"Let the right one in
Let the old dreams die
Let the wrong ones go
They cannot
They cannot
They cannot do what you want them to do
Let the right one slip in
Slip in
Slip in
And when at last it does
I'd say you were within your rights to bite
The right one and say
"What kept you so long?"
"What kept you so long?""

(Morrissey - Let The Right One Slip In)

2 comentários:

Carol_Rodarte disse...

Vou assistir!

sempre adorei vampiros, varias vezes sonho q sou uma, rs

vc augou o filme? moro ha 2 anos em sampa e sinto muita falta de uma locadora com filmes alternativos, cult, classicos...

bjinhus

Rodrigo disse...

Bom, já twittei trailer e fiz meus comentários por lá, mas como foi você quem indicou, to passando pra meter o dedo na sopa!
Demais o filme. Bem elaborado, com personagens consistentes e cativantes. Eli, definitivamente, entrou no topo das minhas Gangrel.
Frase mais louca do filme?
"Eu tenho doze anos, mas a muito mais tempo"

Indico pra que quer escrever bons personagens para Requiem ou Mascara!

Valeu!!!