segunda-feira, julho 13, 2009

Daqui: "...Nas horas tristes, filho, não diga nada. Coloque um silêncio bem alto no aparelho de som. E comece a escrever bem baixinho.(Chorar até que pode, desde que não lhe embace a vista). Só não pare: tristeza é pra escrever. Tome posse dessa dor que é toda sua. Até que passe e venha outra mais bonita..."

Tem dias que é tão difícil tomar posse da tal dor. Tem dias que parece que ela é quem toma conta de tudo. Eu quero tentar parar de me apoiar em pessoas. Elas não estão aí pra serem meus pontos de apoio, não mesmo. Tenho dois pés bem firmes no chão, tenho uma cabeça bem firme em cima do ombro, e tenho muita vontade de ficar bem. A teoria é quase perfeita, falta a prática mesmo. O que me ferra mesmo é essa eterna vontade de ser acalentada, amparada, a vontade de que me coloquem no colo, façam um cafuné e me digam que está tudo bem. Mesmo quando não está. Porque não está mesmo. Mas ajudaria a melhorar. Mas sei lá, talvez estar sempre acalentando, sempre apoiando, sempre aceitando, canse demais. Nem é talvez, certamente que cansa. Certamente que não é só isso o que espero das pessoas, mas também é isso. Será que é tão errado assim esperar esse retorno? Estou nitidamente confusa. E essa música não tá ajudando.

Um comentário:

Luuuuu... disse...

querida, só passando pra dizer que estou por aqui.
beijo