quarta-feira, janeiro 09, 2008

Por que?

"Podia esperar de qualquer um essa fuga, esse fechamento. Mas não de você, se sempre foram de ternura nossos encontros e mesmo nossos desencontros não pesavam, e se lúcidos nos reconhecíamos precários, carentes, incompletos. Meras tentativas, nós. Mas doces. Por que então assim tão de repente e duro, por que?"
(Diálogo - Caio Fernando)

Não me interprete assim, como se eu fosse tão simples. Não me julgue assim tão rápido, por favor. Não se feche, não se esconda de mim assim. Não por algo tão pequeno, tão bobo. Essa sou eu. Defeitos, qualidades, chatices, coisas legais... Posso mudar, mas não demais. Não tudo, não sempre. Posso fazer concessões, mas não escolhas definitivas. Porque não serei mais eu, entende? Não me ignore, não feche a porta, porque me afasta e me entristece essa falta de vontade de falar, de tentar, de dialogar. A gente conversou tanto sobre isso, e agora você se afasta assim. E me julgando, e achando coisas, e definindo preferências e estabelecendo valores. Não, essa não sou eu. Essa é alguém que você acha que sou eu. Precisa se aproximar pra tirar a dúvida. estou aqui sentada, coração na mão. E nem é o meu. É aquele que você me deu pra eu cuidar e que divide o travesseiro comigo toda noite.

3 comentários:

Camilinha disse...

Nossa... esse texto não podia ser tão perfeito!!

Beijos daqui...

nj.marabuto disse...

Post-parapsicológico é outra coisa!Tudo faz sentido e nada surpreende. Impecável defesa, arguição, 'habeas corpus' da alma.

Prostro-me.

Sabrina disse...

Lendo seu post, pensando nele, e com base nas suas palavras e sentimentos (estes últimos da forma como eu consegui entendê-los), e ainda, e principalmente, com respeito e admiração, saíram as seguintes palavras:
______________

pedido

não me interprete
me aceite
essa sou eu
tenho defeitos
e coisas legais
posso mudar
mas não demais

não me julgue
essa não sou eu
me escute
mais uma vez
e sempre
incansavelmente
até conseguirmos
nos entender
(nós três)
________________

Um beijo,
Sabrina