domingo, janeiro 18, 2009

Pequena Enciclopédia Amorosa - parte 1



UM
O primeiro namorado foi um jogador de futebol. Não era assim um daqueles caras impressionantemente bonitos, mas tinha umas pernas de matar. Corpão de atleta, mesmo. Jogava na equipe júnior de um time grande e isso era o máximo entre as amigas. Tinha seus defeitos, é claro. Entre eles, um machismo terrível, gostar de música sertaneja e ser, digamos, meio paquerador, pra não dizer galinha mesmo. Terminou com ela pelo telefone, depois de uns 5 meses juntos. Foi jogar no interior do estado e não podia se prender a nada (leia-se ninguém) por aqui. Ela ficou triste porque achou que fazia parte do pacote ficar meio mal, mas na real não sentia nada demais. Namorou sem gostar mesmo, só porque achou que já estava passando da hora. Cumpriu o protocolo e pronto, agora já podia sair da condição de esquisitona que nunca tinha beijado ninguém. Aliás, que coisa estranha era esse papo de beijar. Ela simplesmente não sentia NADA.

DOIS
Aliás, por falar em nada, o segundo garoto que ela beijou não valia nada. Era uma graça, lindo mesmo, mas um galinha assumido. Também não gostava dele assim, de verdade, mas não curtiu nada a certa desprezada que ele deu quando resolveu que não deviam mais ficar juntos. Magoou, não por estar apaixonada, mas por orgulho mesmo. Chegou até a ficar no pé dele uns tempos, entrando numas de "eu posso mudá-lo, se quiser". Nem é preciso dizer que ela fracassou terrivelmente, né? Desencanou então, não sem antes passar pelo processo de depressão fake básico, e chorar sem lágrimas no ombro da melhor amiga na hora do recreio. Bem vinda ao clube dos falsos corações partidos, garota!

TRÊS
O terceiro menino de sua vida era um desses príncipes encantados. Conheceu num jogo de vôlei da seleção brasileira. Enquanto gritava histérica pelo Tande, ele tentava puxar papo o tempo todo. Até que uma hora ela olhou pro lado e gostou do que viu. Bonito, fazia medicina (mas não falava alemão, igual a Mônica do Eduardo, tá?). Fora o status que era namorar um carinha de faculdade estando no terceiro ano do colegial, que nessa época ainda não era Ensino Médio. Mais uma vez, vejam, não era amor, era vontade de se exibir e de se auto-afirmar perante a sociedade, tsc tsc... Pra ajudar no processo de exibição pública, ele tinha carro e grana... Mas era tão perfeitinho que ela simplesmente se encheu dele! Simples assim, cansou. Ainda saiu por cima, a Miss Freeze...

E nos próximos capítulo: finalmente essa menina gosta de alguém de verdade, pra valer! E mais: tudo o que a internet pode fazer por você ou, os amores on line. Não percam! :o)

Um comentário:

Xyka disse...

cadê o resto?? quero ler!!

:*****