quinta-feira, julho 31, 2008

Niilismo

Tá um vazio tão grande aqui ó. Uma vontade de que algo de diferente aconteça. Sim, já fui até a cantina e comprei uma barra de chocolate descomunal. Não adiantou. Na verdade só me deixou malz, porque eu estava indo super bem na alimentação até o almoço, e desandei tudo por conta do vazio chato. Queria ser menos boba, não me culpar nem encanar demais. Olhar mais nos olhos das pessoas e sorrir. Sorrir, deverdade, e dizer: "putz, que bom que você apareceu, era tudo o que eu estava esperando, te ver! Agora tô feliz!"... Mas não disse nada. Mantive minha postura nariz erguido de sempre, meu campo de força invisível ativado, impedindo qualquer incauto de acelerar e se aproximar. E aos que tentaram, raios zeta mortais. Pena. Porque depois sou eu mesma quem me arrependo. Estava tão bem na segunda-feira, nada disso me preocupava na verdade. Como diria a minha querida Fernandinha, tempo, tempo, mano velho, seja legal, conto contigo... Conto contigo para transformar meu vazio em algo concreto. Conto contigo pra não meter os pés pelas mãos de novo só pra cobrir o vazio. Não quero uma camadinha fina de argamassa. Quero algo concreto, fixo, firme, forte. Quero preencher de verdade, não só enganar. Quero respeitar a movimentação da vida, sem atropelar. Por que eu sou tão diferente de todo mundo?

"...Mas nós vibramos em outra freqüência
Sabemos que não é bem assim
Se fosse fácil achar o caminho das pedras
Tantas pedras no caminho não seria ruim..."

(Humberto Gessinger - Outra Frequencia)

Um comentário:

Xyka disse...

e ai?? mar calmo ou agitado? :)

se cuida lindona e relaxa... tudo q vc tem q fazer é relaxar e deixar rolar.

E é isso. E só.

Tá?

lov.u
Xyka.