sábado, agosto 25, 2007

Lágrimas solitárias

Tristeza solitária, essa. Parece que ninguém entende.
Na urgência da vida todos vão passando, ocupados com seus afazeres. Não os culpo. Deveria estar ali também.
Mas agora não dá. Devo curtir meu mau humor, essa sensação estranha que não é muito minha, mas está aqui.
Sinto falta de cumplicidade. De alguém que me olha e sinta, só sinta.
De uma palavra amiga e que me conforte.
Acho que homens são ruins para isso.
Não é por mal, não. Dá pra ver que não é.
De repente uma coisa que eu já disse antes precisa ser dita de novo.
Não gosto disso. Parece que não estavam nem prestando atenção.
Mas é aquilo. Dê uma festa e todos aparecerão. Nas horas chatas o vazio é mais frequente.
Só não queria ter que ficar explicando, e parece que ninguém seria capaz de me entender sem eu ter que contar.
Nem meu blog tá me entendendo.
Talvez dormir seja uma melhor idéia.
Fui.

Um comentário:

Renata disse...

o que posso dizer é que estou aqui, se quiser conversar, querida. não garanto entender, mas a tentativa vai ser de coração... :O)
bjo, flor.